Como evitar as compras por impulso?

18 de fevereiro | 2020

Comprar gera uma sensação de prazer enorme, mas quando você perde o controle e compra por impulso, você tem um problema…

Por Leila Sleiman

A compra por impulso acontece sem um planejamento prévio, é repentina e descontrolada. Ou seja, é quando você, simplesmente, compra sem pensar nas consequências!

Existe uma vontade quase irresistível de comprar. A decisão é tomada de forma muito rápida. Não há uma deliberação, e não são considerados os riscos ou as consequências financeiras como dívidas, prejuízos, limitações além das emocionais tal qual culpa, arrependimento e decepção.

As compras impulsivas são uma tentativa de regular o próprio humor ao gerar mais sentimentos agradáveis e diminuir aqueles desagradáveis como vazio, solidão e tristeza. Porém, esse comportamento é imediatista e o prazer não se sustenta por muito tempo.

O que acontece no cérebro no ato da compra?

No seu cérebro existe um circuito chamado de sistema de recompensas. Este faz você se sentir bem ao cumprir suas metas. Ele se ativa liberando a dopamina, o neurotransmissor do prazer. Isso libera outro componente que te deixa bem, a serotonina, assim você quase que “compra” a felicidade, mas o problema é que esse bem-estar é temporário, mas o prejuízo não!

Sentir emoções negativas é desconfortável para a maioria das pessoas, por isso, o ato de comprar funciona como um “refúgio”, pois gera um prazer e alívio imediato.

Após a euforia que rodeia a aquisição de algo novo, quando “cai a ficha”, a culpa, decepção e tristeza podem tomar conta e, no intuito de aliviar essas emoções a pessoa pode ser levada, novamente, a comprar impulsivamente, e, assim, gera um ciclo vicioso.

Como se já não fosse grave o suficiente, uma pessoa que tende a comprar de forma descontrolada pode se tornar uma compradora compulsiva.

O que contribui para as compras por impulsivo?

Existem alguns fatores que levam as pessoas a comprarem de forma compulsiva, que você deve ficar atenta e atento!

1. Comprar apenas porque estava com desconto ou na promoção.
2. Comprar no calor do momento.
3. Comprar de forma imprudente, sem pensar.
4. Comprar porque vê os outros comprando.
5. Buscar gratificação imediata.
6. Facilidade de acesso ao crédito que tira a “dor” do pagamento.

Quais locais você precisa ficar mais alerta?

Se você já viu que está mais suscetível a compras por impulsos e sabe que alguns desses fatores te influenciam, é melhor ficar longe desses lugares:

1. Shopping center: ele é claro.
2. Lojas online: comprar por impulso nunca foi tão fácil!
3. Supermercado: quem nunca comprou porque a vontade falou mais alto, mesmo sem a intenção de comprar?
4. Comércio de rua.
5. Lojas de departamento.
6. Bares, padaria e restaurantes.

Tá, mas como resolver o problema?

Se essas compras impulsivas estiverem se tornando tão frequentes e irresistíveis a ponto de parecer uma compulsão é essencial buscar um psicólogo para te proporcionar o suporte profissional adequado para agir nessas situações.

Mas você mesma ou você mesmo pode fazer alguns ajustes, seguindo esses passos:

1. Entenda que desejar algo é diferente de necessitar, portanto, abra mão de compras sem a real necessidade;

2. Não compre imediatamente. Escolha retornar em outro dia ou no final de semana posterior para decidir se você precisa mesmo daquilo;

3. Pesquise preços em demais lugares, isso ajuda a não comprar instantaneamente;

4. Mapeie quais são os gatilhos externos ou internos que te mobilizam às compras;

5. Livre-se de cartões de crédito! Ao usá-los, você nem percebe seu dinheiro indo embora, prefira pagamentos em espécie;

6. Desenvolva métodos para não comprar: em casos mais graves, evite os locais que você costuma ceder. É importante fazer um cartão listando todas as motivações para não comprar. Esse recurso precisa estar contigo, na sua carteira. Além disso, você precisará olhar pra ele todos os dias.

7. Importante: diversifique suas fontes de prazer! Não use as compras como a única forma de se sentir bem. Tente ter mais autocompaixão por si mesmo, elogie-se, perdoe-se, seja mais gentil. Perceba que o prazer pode vir também com uma boa conversa, assistir a alguma série, ouvir música, ler um livro ou através de uma ida ao parque.

É provável que você sinta um aumento instantâneo na sua autoestima após comprar, mas lembre-se: mais vale uma frustração momentânea do que um rombo emocional ou no seu orçamento no longo prazo.

Conhece alguém que pode estar sofrendo com isso? Envie agora esse texto para que mais pessoas possam se beneficiar desse conteúdo.

Você também pode gostar

7 Sinais de que você é viciado em compras! E o que fazer!

Como ser um craque na Copa do Consumo

5 Dicas para economizar em viagens internacionais

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a deixar seu comentário