6 Passos para conquistar seu primeiro trabalho como freelancer

28 de agosto | 2019

Em tempos de desemprego, trabalhar como freelancer é uma saída para muita gente.  A gente te conta como conquistar o primeiro trabalho 

Por Vivendo de Freela

Já pensou em buscar um trabalho freelance? Opção para quem quer mais liberdade na carreira, está em transição profissional ou precisa de renda extra, este modelo de atuação tem se tornado cada vez mais atrativo e tem boas oportunidades para diversas áreas.

Nem por isso é fácil começar a trabalhar como freelancer. Até conquistar os primeiros clientes e executar os primeiros projetos, é preciso percorrer alguns passos. Nesse artigo vou apresentar os seis principais!

Antes de tudo… o que é freelancer?

Mas, antes de falar sobre o que você precisa saber para conquistar seu primeiro trabalho freelance, vale a pena realmente entender o que é o “freela”. Esse termo tem se tornado popular, porém muitas vezes vem sendo confundido com o nosso tão conhecido “bico”.

Freelancer é um profissional que atua de forma independente, para uma ou para mais empresas ao mesmo tempo, vendendo suas habilidades como serviços. É bastante comum encontrarmos freelas em áreas como design, redação, jornalismo, desenvolvimento de software, entre outras. Nos últimos anos, entretanto, começamos a encontrar freelancers atuando nas mais diversas áreas.

É importante, porém, diferenciar o freela do bico. Enquanto o bico é aquela atividade pontual que realizamos para ganhar um extra, o freela é uma atividade dentro da sua área de conhecimento e executada de acordo com a sua experiência, construindo uma reputação em torno do seu trabalho. E isso faz toda a diferença no que vamos ver daqui para frente neste artigo!

Conquiste seu primeiro trabalho freelance!

Se você já entendeu que para trabalhar como freelancer precisa se especializar em uma área de atuação e construir uma marca pessoal que o ajude a vender seus serviços, é hora de começar a colocar isso em prática rumo aos primeiros projetos!

1.Formate um serviço

Um erro comum de quem começa como freelancer é fazer qualquer serviço que aparecer. Eu fiz isso no início! Em vez de focar no que realmente era minha especialidade, atirei para tudo que é lado tentando aumentar minha renda.

O ideal é que você realmente formate seu serviço (ou serviços), pensando no que sabe fazer bem, no que as empresas ou as pessoas pagariam para você e no que há de oportunidade de mercado. Pense em você como uma pequena empresa e busque referências do que está sendo feito por aí.

Não esqueça, é claro, de definir seu preço. Para ajudar, já falei aqui no Me Poupe! sobre quanto cobrar pelo seu freela!

2. Defina seu público

Com serviço bem definido, pense muito bem para qual tipo de empresas você gostaria de trabalhar. Dessa maneira, fica mais fácil pensar em prospecção e em divulgação de seu trabalho.

Para isso, considere tamanho de empresa, se ela é B2C ou B2B, qual seu segmento de atuação e quais são as suas principais necessidades. Tente descobrir também qual é o perfil de decisor (quem irá contratar seu serviço) e como você pode chegar até ele.

3. Monte um portfólio

O portfólio é o cartão de visitas do freelancer, uma ferramenta essencial de divulgação. E é importantíssimo ter passado pela etapa anterior para construir o seu.

Isso porque será conhecendo seu cliente que você irá desenvolver o portfólio dentro do formato mais adequado para ele – seja um site, uma apresentação em PowerPoint, um folder, um perfil em uma plataforma digital…

Faça do seu portfólio mais do que uma amostra de sua experiência e de seus trabalhos anteriores, transforme-o em um excelente material de vendas!

4. Avise o mundo inteiro (ou pelo menos seus conhecidos)

Esse é outro erro comum entre os freelancers: não compartilhar com as pessoas ao seu redor o que faz profissionalmente. Eu já passei por isso. Felizmente mudei ao perceber que os melhores projetos vieram por indicação dos amigos e dos familiares!

Ou seja, mesmo que aquele seu amigo que trabalha em uma área nada a ver com a sua não venha nunca a contratar você, ele pode ter um primo que venha a se tornar um ótimo cliente.

Para começar, que tal compartilhar nas suas redes sociais que está disponível para projetos como freelancer?

5. Prospecte clientes ativamente

No início, entretanto, pode não ser suficiente esperar as indicações de conhecidos chegarem até você. Vai ser preciso correr um pouco atrás! As principais fontes de clientes costumam ser:

Plataformas de freela: os preços praticados são baixos, mas elas podem ajudar a construir seu portfólio.

Redes Sociais: dependendo da sua área, LinkedIn, Facebook e Instagram são excelentes canais de divulgação e de abordagem a potenciais clientes.

Produção de conteúdo: ter um blog, um canal no YouTube ou qualquer outro canal de conteúdo são formas de demonstrar o quanto você é especialista em sua área – e isso traz clientes!

Abordagem ativa: é claro, você sempre pode mandar e-mail, ligar, enviar mensagens por LinkedIn ou bater na porta das empresas que considera potenciais clientes para o seu serviço. Dá frio na barriga para quem não é acostumado a vender, mas traz resultados!

Fiz um vídeo com dicas para prospectar clientes como freelancer, que você pode assistir aqui!

6. Faça um excelente trabalho, colha recomendações

Por fim, depois que fechar seus primeiros projetos, não há melhor fórmula para ter sempre a agenda cheia do que fazer sempre um excelente trabalho. Clientes satisfeitos fazem questão de recomendar seus serviços!

E, caso não façam isso proativamente, você terá maior liberdade de pedir indicações se tiver certeza de que seu cliente está satisfeito.
Se fizer sentido… abra sua empresa!

Não é um passo essencial para conquistar seu primeiro trabalho freelance, mas você deve ter isso em mente já no início da sua caminhada.

Os melhores clientes vão pedir que você emita Nota Fiscal para ser pago pelos seus serviços. E isso pressupõe que tenha uma empresa aberta em seu nome.

Mas não tome essa decisão sem primeiro entender se a vida de freela é para você. Converse com outros profissionais, faça alguns trabalhos menores pelas plataformas, analise como se sente no relacionamento com os clientes, na execução dos projetos… Com isso, certamente se sentirá mais seguro para fazer o segundo, o terceiro e o quarto trabalho freelance – e talvez, como eu, nunca mais queira parar!

Você também pode gostar

6 testes que você precisa fazer antes de largar o emprego para ser freelancer

Freelancer: 5 Motivos para você ter um CNPJ

9 dicas para conciliar sua carreira com o trabalho freelancer

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a deixar seu comentário