Leasing, consórcio, à vista ou financiamento. COMO COMPRAR SEU PRIMEIRO CARRO?

Se você quer muito comprar seu primeiro carro, mas ainda não sabe como fazer isso, eu vou te contar nesse artigo quais são as opções que existem hoje no mercado e qual é a melhor para o seu perfil.

Por Cintia Senna

Meu carrinhoMinha recomendação sempre é ter total conhecimento, planejamento financeiro de seu orçamento para que seu sonho não se torne pesadelo. Não compre nada no calor da emoção e não saia assinando qualquer contrato sem antes conhecer o que realmente deve.

Use os artigos do Me Poupe! e as informações relevantes gratuitas disponíveis aqui a seu favor e aprenda a realizar todos seus sonhos de forma consciente e sustentável.

Abaixo, vou colocar as diversas formas de ter o seu primeiro carro e as características de cada uma.

À vista

Essa modalidade é a mais indicada e é a única em que você ganha. Ou seja, é premiado por poupar.

QUEM COMPRA À VISTA SEMPRE TEM PODER DE BARGANHA e é possível conseguir excelentes descontos em uma negociação. 

Veja este artigo do Me Poupe! E aprenda 5 técnicas que vão te ajudar a ter mai sucesso no momento de negociar.

Infelizmente esta ainda não é a realidade da maioria dos brasileiros, mas creio que com todas essas informações, analises e comparativos que o Me Poupe traz, em breve essa realidade muda.

COMPRA À VISTA: MODO DE FAZER

Além de reservar uma quantia mês a mês, o que sempre recomendo é aproveitar os valores extras como 13º, PLR ou bônus para fazer essa complementação, e com isso seu carro estará cada vez mais perto.

Se você não precisa tão rápido do carro,  organize-se, planeje-se e utilize essa opção. A satisfação de sair da loja com o carro sem nenhuma parcela não tem comparação (eu fiz isso lá em 2009).

Financiado (CDC) 

Meu carrinho 2Se você não conseguiu poupar todo o valor do carro, pode recorrer a um financiamento. Ou seja, pagar em prestações junto a uma instituição financeira.

A modalidade de financiamento mais utilizada é o CDC (Crédito Direto ao Consumidor). Como o nome diz, o crédito vai direto para que você compre o carro. É um empréstimo que tem como garantia o carro adquirido.

Por ser um empréstimo com bem dado em garantia (tem uma destinação, por isso chama-se financiamento), existe a cobrança de juros para essa modalidade, que a depender da época e da instituição pode ser de 0% a quase 8% ao mês (Presta atenção!!!).

Uma ferramenta excelente para você consultar e comparar é a tabela comparativa do Banco Central, que lista todas as empresas e os juros aplicados por cada uma. Veja nesse link DO BANCO CENTRAL .

Outro caminho pra chegar até lá é acessando www.bcb.gov.br > Sistema Financeiro Nacional > Informações sobre operações bancárias > Taxas de operações de crédito > Taxas de juros de operações de crédito > Pessoa Física – Aquisição de Veículos

FINANCIAMENTO: MODO DE FAZER

Após selecionar a instituição e analisar os todos os custos é feito um contrato que define o valor de parcelas, o número de prestações e a taxa de juros contratada.

No CDC o veículo vem
em seu nome, mas a alienação consta no document. Essa observação só será retirada após a quitação do carro.

FIQUE DE OLHO!

fique de olho!Mesmo tendo uma garantia, o banco fará uma análise do seu perfil financeiro para poder liberar o crédito, bem como encontrar uma melhor taxa de juros para sua intenção. (sempre peça a redução da taxa de juros. O não, você já tem!)

Além disso tem a cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) que vai variar de instituição para instituição.

O lado positivo dessa modalidade é que você pode antecipar parcelas e assim ter desconto dos juros. Também é possível vender seu carro, mesmo alienado, sem qualquer dificuldade.

 

 

Observação:

Sonho é sonho, mas sonho não planejado pode virar pesadelo. Antes de financiar, pense não só no valor da parcela mensal, mas em todos os custos que virão com o carro (estacionamento, combustível, manutenção, seguro, etc).

#DICA

Para ter certeza de que a parcela realmente cabe no bolso, comece a reservar o valor da parcela mais as despesas mensais com o carro por pelo menos 3 meses.

Conseguiu e ainda tem valor para pagar as demais contas? Ok! Você pode assumir o risco da dívida.

Lembrando:

Se você não pagar as parcelas, o bem pode ser apreendido e a dívida vai continuar ativa até que o valor financiado seja recuperado, seja via leilão do automóvel (mais o montante devido, caso o valor obtido em leilão não alcance o valor da dívida), seja porque você voltou a honrar o compromisso.

Financiado ( Leasing) 

Outra opção também usada para aquisição do carro é o Leasing, uma palavra em inglês que quer dizer aluguel, nesse caso, do veículo.

Isso mesmo!  Você faz um acordo com a instituição financeira de que quer alugar um carro por um número determinando de meses (sendo o mínimo 24) e paga por isso.

Ao contrário do CDC, o Leasing não tem IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), mas sim ISS (Imposto sobre Prestação de Serviços), já que é um serviço de locação.

O carro não fica no seu nome, mas no nome da instituição financeira, já que a principio o carro não é seu, é locado. 

PRA FICAR DE OLHO!

Não é possível antecipar as parcelas para reduzir os juros, além disso, caso queira vender o carro, você terá que pedir autorização da instituição financeira, sendo que ela pode exigir a quitação de todas as parcelas, ou uma análise do novo locador.

Consórcio

Consorcio é uma modalidade que te possibilita adquirir o carro ao participar de um grupo que tenha o mesmo interesse que o seu.

Vamos supor que todos os leitores do Me Poupe tenham o mesmo sonho que é o de ter um carro próprio, e assim, a Nath resolve fazer uma reunião com todos os interessados e propor que durante um período de tempo (por exemplo 60 meses) cada um contribua com um valor mensal e que ao somar a contribuição de todos será possível escolher um dos participantes por mês para já ter o seu sonho do carro realizado. E assim, a soma das parcelas que cada um contribui mensalmente vai ajudar a que todos possam em algum momento ser contemplado.

Então, basicamente é a união de pessoas com mesmo interesses, que elegem uma administradora de bens (empresa de consórcio) para formar os grupos, receber os valores mensais, realizar as contemplações de cada um mensalmente, e fazer toda essa gestão.

O valor que você paga de prestação mensal do consórcio não tem juros, porém há taxa de administração, por toda essa gestão (que vamos dizer não é nada simples e fácil).

Então não se iluda pensando que por não ter juros é melhor ou pior que um financiamento.

Antes de assinar um contrato de consórcio você precisa saber quanto de taxa de administração pagará. 

Quem entra num sistema de consórcio tem que ter em mente que tanto pode ser o primeiro a ser contemplado como pode ser o último.

Na sistemática de um consórcio, existem duas possibilidades de você ser contemplado e receber o dinheiro pra comprar seu carro: LANCE E SORTEIO

Na forma de sorteio, como o próprio nome diz, a administradora do consórcio mensalmente realiza um sorteio, geralmente por meio do número da loteria federal, para contemplar um dos participantes do grupo. Dependendo do tipo de consórcio, cada grupo também terá direito a um Lance contemplado por mês. Isso quer dizer que entre os participantes do grupo, quem oferecer mais dinheiro pela carta de crédito, também será contemplado e após o pagamento do lance, continuará pagando as parcelas de forma proporcional ao que ainda deve.

IMPORTANTE!

Quando você começa a participar de um consórcio e ainda não tem o direito de comprar o carro, você é considerado apenas um “membro do grupo”, ou seja, você esta depositando seu dinheiro na administradora até que tenha o direito de receber seu bem. Quando você adquire seu carro por meio da carta de crédito, você se transforma em devedor para a administradora.

Então até você ser contemplado praticamente não existe exigências quanto a sua adesão, apenas uma ficha cadastral, aceitação dos termos do consórcio com todas suas características, e documentação simples (RG e CPF), porém quando você é contemplado, você só recebe o direito de ter acesso a carta de crédito (ir até uma concessionária e comprar o bem com o dinheiro do consórcio), ao passar por uma análise de crédito, que vão avaliar todo seu histórico financeiro, não só no consórcio, como em todo sistema financeiro. Assim, esteja sempre com seu nome livre de qualquer pendência, para não ser contemplado e não poder usufruir o bem. Isso acontece.

PRA QUEM É O CONSÓRCIO?

Para aquelas pessoas que querem realizar o sonho do carro, mas não tem pressa. Tem paciência de ser contemplado logo ou no final e não tem dinheiro pra dar de entrada.

Para quem ainda não consegue poupar e prefere ter um boleto todo mês lembrando de uma conta a pagar do que aplicar o valor e fazer a própria reserva para comprar à vista, pagando menos.

Pra quem até pensa no financiamento, mas por não ter a visão dos juros prefere essa modalidade.

LEMBRETE!

Antes de entrar em qualquer consórcio, verifique se o valor da parcela caberá em seu orçamento. Caso você queira desistir do consórcio antes de ser contemplado o valor pago só será devolvido ao final do prazo total de contemplação de todos os participantes.

Quando contemplado, o carro ficará em seu nome, porém com alienação (direito) a administradora do consórcio, até que todas as parcelas estejam quitadas. Assim, servirá de garantia para caso de não pagamento.

Ao receber o bem, além das parcelas terá que incluir no orçamento os valores de combustível, impostos, seguros, e todas as despesas envolvidas com a manutenção deste bem.

Mas afinal, qual a melhor opção? 

qual a melhor opcao?

Eu Cintia conheci e conheço pessoas que já utilizaram todas essas modalidades, e para cada um serviu a opção escolhida. O que gosto de comentar é que cada um faça uma analise de sua vida financeira, não só no hoje, mas nos próximos anos.

Verifique se tem reservas financeiras, qual a utilidade de realizar esse sonho hoje, amanhã e depois. Pois cada um sabe realmente a realidade de sua situação.

Em minha opinião, ter o recurso para pagar a vista, chorar descontos, e ainda ter os juros a favor (por que poupou) é uma vantagem em relação às demais opções.

Cintia Senna 

CintiaEspecialista em Educação Financeira pela DSOP/Unis e Controladoria de Gestão pela FECAP.

Graduada em Ciências Contábeis pela USJT, formada em Coaching pela Anderson University/C4C, cursou Educação Executiva em Planejamento Financeiro Pessoal pelo Insper/IBCPF, e Formação em Educação Financeira pela DSOP.

É responsável pelo blog Viver Melhor com Educação Financeira,
Realiza palestras, treinamentos e atendimentos individuais, familiares e para pequenos e médios empreendedores, além de colaborar com o tema Educação Financeira em diversos meios de comunicação.

Gostou desse artigo? Estes aqui também podem te ajudar!

5 LIÇÕES DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA ENRIQUECER

IMPEACHMENT: O QUE VAI ACONTECER COM SEU DINHEIRO SE A DILMA SAIR?

CANAL ME POUPE! 3 DICAS PRA ECONOMIZAR SEM DEIXAR DE VIVER 

 

Me Poupe! no seu email

Cadastre-se, é na faixa!

Nathalia Arcuri

Sou a Nathalia Arcuri, poupadora por opção, jornalista por profissão e especialista em finanças pessoais por vocação.

3 comentários em “Leasing, consórcio, à vista ou financiamento. COMO COMPRAR SEU PRIMEIRO CARRO?

  • 7 de junho de 2016 a 2:55 pm
    Permalink

    Nath, tenho uma dúvida, depois que assisti a alguns videos seus no Youtube e conheci seu blog, vi que você indica muito o Tesouro Direto… o que eu quero saber é o seguinte… pra quem quer adquirir seu 1º carro e seu 1º imóvel, você acredita que é necessário poupar e guardar o dinheiro em Tesouro Direto? ou para aquisição destes bens a poupança já ajuda? Se for o Tesouro Direto a melhor opção, é possível sacar o valor quando este for suficiente para a compra? Agradeço sua atenção!

    Responder
    • 7 de junho de 2016 a 3:17 pm
      Permalink

      OI Sil! Já falei e repito: Se você deixar o dinheiro na poupança vai perder dinheiro! Isso acontece porque a inflação (desvalorização do seu dim dim) está em torno de 10% ao ano e a rentabilidade da poupança em 8%. Ou seja: se fica na poupança o seu dinheiro vai valer 2% a menos!
      Respondendo à sua pergunta: Sim, sempre vale a pena deixar no Tesouro quando o dinheiro vai ficar aplicado mais de 3 meses. Sucesso!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *